sexta-feira, 31 de julho de 2009

O começo

Devo o começo de minha história a uma gatinha de rua, que não era minha mamãe. Essa gatinha, era preta e branca como eu, e mora nas ruas do condomínio onde fica nosso apartamento. Todos os dias, ao voltar da faculdade as 23h, minha humana era recepcionada pelo ronronar da gatinha e isso a convenceu de que tinha que ter um bichinho assim.
Nâo sabemos por que ela simplesmente não pegou a gatinha e levou para casa, mas o fato é que uma amiga dela tinha uma conhecida que tinha uma gata (agora sim, minha mamãe) que ia dar cria e prometeram que um dos filhotes seria dela.
Ela me conta que foi uma espera eterna. Quando soube do nascimento dos bebês, ficou louca, perguntando todos os dias quando iria pegar "a sua gatinha branca peluda". É gente, haviam prometido a ela uma gatinha branca bem peluda que logo foi batizada de "Mia".
MInha mãe gata, meus irmãos e eu, morávamos numa casa de uma família muito, mas muito humilde mesmo: era apenas um quarto e cozinha, com muitas crianças e muitos gatinhos. Eu era o menor da ninhada e nasci com um "probleminha" no rabo: cerca de 2 cm dele eram desprovidos de pelo, com um aspecto de pele ressecada, feio que só, devia ser micose ou sei lá o quê. Com pouco mais de um mês de vida, vi meus irmãos sendo adotados por familias humanas, um a um e eu, fui ficando não sei se pelo meu tamanho ou pela aparência de meu rabinho.
Chegou o dia de minha mãe humana pegar a Mia. Quando ela chegou lá em casa, a Mia já tinha sido dada e só estavamos meu irmão e eu. Meu irmão era literalmente um gato e meu pai humano falou: "Leva esse" mas ele já tinha dono. É, só sobrei eu. Todo mundo achava que ela não ia me querer, mas quando eu, no auge de meus 500g de peso olhei nos olhos dela e soltei um "miii" ela não resistiu e disse: "Tá, é meu, vou levar".
Meu papai humano e minha tia não acreditaram. Ele até temia que eu não resistisse mais que uma semana de vida pelo fato de ser tão pequeno.
E foi assim que eu deixei minha mamãe gatinha e fui prá minha casa nova, dentro da bolsa da minha nova mãe.
Essa foto aí é de como eu era em dezembro de 2008.
Assim começa minha nova vida, e eu vou contar aqui prá vocês!
Até a próxima.


2 comentários:

  1. Que lindo o blog do Léo.....você escreve muito bem minha menina linda!!! Beijos

    ResponderExcluir